Liturgia Diária

Nascemos para as coisas do Alto (Jo 8,21-30)

  A primeira verdade é essa: Jesus não é daqui debaixo; e “debaixo” quer dizer do mundo em que estamos, o mundo que já é sobre o maligno, sobre o pecado e as trevas.

 

  Jesus é do Alto, Ele é da luz e da graça, mas desceu à nossa baixeza, desceu à nossa condição humana para nos iluminar, resgatar-nos, e para que não fiquemos embaixo, mas para que busquemos as coisas do Alto.

 

  Para que Jesus nos resgate do mal desse mundo é preciso que morramos para o pecado para nascermos na graça, porque morreremos nos nossos pecados se não acreditarmos em Jesus, se não colocarmos n’Ele nossa confiança, nossa esperança e o sentido da nossa salvação. 

 

  Vivemos no mundo, mas não podemos deixar que ele esteja dentro de nós. Viver no mundo é responsabilidade, entregar-se para o mundo é pecado e perdição. Iluminar o mundo é nossa missão, deixar-se conduzir pelo mundo é a nossa perdição.

 

  Tenhamos convicção de que nascemos do Alto e para as coisas do Alto

 

  Estar em Jesus é viver no mundo sem ser do mundo, é estar no mundo sem se deixar escravizar por ele. Estar em Jesus é cumprir a nossa obrigação e a nossa missão sem nos prendermos a esse mundo, porque não somos dele. Estamos aqui de passagem. Não tenhamos dúvidas sobre isso, mas convicção de que nascemos do Alto e para as coisas do Alto. E o Alto é o Céu, é o lugar da morada de Deus.

 

  Nascemos para ser de Deus, mas, às vezes, podemos desviar a rota, perdermos o caminho, mas para nós, que andávamos perdidos como aqueles escoteiros que se perderam em meio à expedição, Ele desceu para vir nos encaminhar ao caminho que nos salva, à estrada que nos leva à vida.

 

  Jesus é a estrada, Ele é a verdade e a vida. Deixemo-nos ser conduzidos por Cristo, para não morrermos nos nossos pecados, para não sermos escravos do pecado, para que não sejamos escravizados por este mundo, mas salvos e resgatados pelo amor misericordioso do Senhor.

 

  Deus abençoe você!